arquivo

e-mail para hugo.santanna@ufes.br instagram @designcogsci twitter @designcogsci youtube github hugocristo modeling commons (netlogo)
19/08/2021

Lewin e a psicologia social

Tenho profunda admiração por Kurt Lewin. Além da pertinência de seu trabalho, Lewin influenciou pesquisadores que são centrais nos temas que me interessam.

As contribuições dele para a psicologia social são mais populares, mas seus escritos abordaram questões inovadoras na psicologia matemática, ecológica e organizacional. Recentemente, descobri via J. P. Dupuy a participação de Lewin nas discussões do período formativo da cibernética.

Em 1939 (sim, 1939), Lewin sugeriu que os progressos desejados para a pesquisa em psicologia social deveriam superar, no mínimo, dificuldades como (tradução livre):

  1. A integração de áreas vastas de fatos e aspectos divergentes: o desenvolvimento de uma linguagem científica (conceitos) capaz de lidar com fatos culturais, históricos, sociológicos, psicológicos e físicos em terreno comum.
  2. O tratamento desses fatos na base de sua interdependência.
  3. O manejo de problemas históricos e sistemáticos.
  4. O manejo de problemas relacionados a grupos e a indivíduos.
  5. O manejo de objetos ou padrões de "todos os tamanhos" — a psicologia social precisa incluir problemas de uma nação e sua situação, como também de um grupo de brincadeiras de três crianças e seus conflitos momentâneos.
  6. Problemas de "atmosfera", tais como simpatia, pressão etc.
  7. A psicologia social experimental terá que encontrar meios de trazer grandes padrões para quadros de referência pequenos o suficiente para as possibilidades técnicas da experimentação.

Estes obstáculos consistem em projeto de pesquisa absolutamente atual. Quase 82 anos depois, continuamos em busca da linguagem e terreno comuns, capazes de discutir de modo integrado os fenômenos psicológicos. Lewin defendeu a importância da elaboração de teorias, sua formalização e experimentação, sem importar construtos de outras áreas por razões filosóficas.

A teorização em psicologia, na opinião de Lewin, é livre para utilizar construtos adequados para lidar com os problemas da área e encontrar caminhos para a tão desejada integração. Nesse sentido, a teoria do campo e suas bases oriundas da topologia são esforços intelectuais admiráveis. Figuras como a deste post, reproduzida do artigo de 1939, são geniais.

Índice do blog